MINISTRA FRANCESA MANTÉM “LAÇOS EXTREMAMENTE PROFUNDOS” COM CABO VERDE

A ministra da Igualdade francesa, Elisabeth Moreno, nasceu em Cabo Verde e considera que este país ainda faz parte de si e que a língua portuguesa é a língua dos seus sonhos.

Ministra francesa mantém "laços extremamente profundos" com Cabo Verde

“Nasci em Cabo verde, um país com o qual tenho laços extremamente profundos, onde estão as minhas raízes e que faz parte de mim, mesmo de forma inconsciente. França, Cabo Verde, África e Europa fazem parte das minhas identidades”, afirmou Elisabeth Moreno em entrevista à Agência Lusa.

Para a ministra, que chegou a França aos sete anos com os seus pais, viveu num dos bairros mais pobres de Paris e foi na escola pública francesa que encontrou o seu “refúgio”, mas a língua portuguesa continua a fazer parte da sua identidade.

“É a língua da minha infância, dos meus pais e, às vezes, dos meus sonhos. O português é uma língua que faz parte da minha identidade”, sublinhou.

Com um percurso de mais de 30 anos no setor privado onde passou por várias empresas do ramo tecnológico como a Dell, Lenovo e Hewlett-Packard, Elisabeth Moreno aceitou este verão o convite do então recém-designado primeiro-ministro, Jean Castex, para integrar o Governo. Um desafio perante o qual não hesitou.

“Sempre me interessei pela ação pública, mas não conhecia de todo o mundo político. Era, pode dizer-se, uma espetadora participativa. Mas a ideia de agir, de servir o meu país e as maravilhosas causas que são os direitos das mulheres, da igualdade de oportunidades e a luta contra a discriminação fez-me dizer sim”, declarou.

Em paralelo com a sua atividade profissional, Elisabeth Moreno desenvolveu uma atividade social intensa não só na comunidade cabo-verdiana, mas também no campo da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres nas empresas e no acesso à educação.

Como ministra, não nega que a existência da discriminação no acesso ao alojamento ou ao trabalho, mas considera que “a promessa republicana francesa de liberdade, emancipação e igualdade não é uma fábula”.

“É uma realidade perfectível – na qual trabalhamos -, mas que funciona”, sublinhou.

Elisabeth Moreno é a única mulher negra no Governo francês e, em resposta à Lusa, considera que isso lhe dá “uma responsabilidade suplementar”.

“Mesmo que vivamos numa ‘França plural’, as pessoas que vêm de origens diferentes estão ainda insuficientemente representadas na política […]. Esta realidade reforça desde logo a exigência para comigo mesma, já que tenho consciência da maneira como sou vista e as expectativas que posso suscitar”, considerou.

No entanto, a ministra garante que a cor da sua pele “não é um horizonte inultrapassável” e que a República francesa vê apenas cidadãos.

“A República francesa transcende origens étnicas e sociais, orientações sexuais e credos. Ela vê em nós apenas cidadãos. Este é, a meu ver, o melhor caminho para a emancipação e para a igualdade. A minha cor de pele não é nem uma qualidade, nem um defeito, é um atributo”, concluiu.


Fonte: Notícias ao minuto

Sobre O IILP

Objetivos fundamentais: a promoção, a defesa, o enriquecimento e a difusão da língua portuguesa como veículo de cultura, educação, informação e acesso ao conhecimento científico, tecnológico e de utilização oficial em fóruns internacionais
Esta entrada foi publicada em Notícia. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s