ESPECIALISTAS EDUCATIVOS TIMORENSES PEDEM REFORÇO DE FORMAÇÃO EM PORTUGUÊS

 

Resultado de imagem para Especialistas educativos timorenses pedem reforço de formação em português

Especialistas timorenses defenderam hoje, em Díli, um reforço da capacidade dos professores e dos alunos dos cursos de educação para que trabalhem com a língua portuguesa, cabendo ao Estado aplicar uma política clara de língua.

“Não basta evocar a importância histórica da língua portuguesa nem a sua dimensão global. É necessário conceber uma agenda política consistente e coerente que permita responder de modo adequado aos vários obstáculos a ultrapassar”, disse hoje Francisco Martins, reitor da Universidade Nacional Timor Lorosa`e (UNTL).

“Não chega as leis. A nossa responsabilidade como cidadãos deste país é grande para implementar a política do Estado como deve ser”, afirmou.

Na abertura das 3as jornadas Pedagógicas do Centro de Língua Portuguesa da Universidade Nacional Timor Lorosa`e (UNTL), Francisco Martins disse que é necessário um “programa de ensino público que respeite a formação linguística desde o pré-escolar até ao terciário”.

Um programa que “garanta formação linguística de base em língua portuguesa para todas as crianças e jovens, nas cidades e nas áreas mais remotas, através de um processo adequado, igualitário e democrático de ensino e aprendizagem”.

Apesar da política de línguas do Estado estar bem definida, constitucional e legalmente, Martins diz que a sua implementação “não está bem clara, não está bem definidade, nem bem implementada”.

“Não há uma política bem definida, com rigor, pelas nossas autoridades”, disse.

No mesmo encontro, Pedro Soares, decano da Faculdade de Educação, artes e humanidades, destacou a dificuldade que muitos professores enfrentam por terem material de apoio, incluindo manuais, em português – recorrendo ao tétum para a instrução.

“Isso causa uma dificuldade muito grande para os professores que têm, por isso, que melhorar a sua capacidade na língua portuguesa”, disse.

Esse esforço deve ser particularmente vincado no caso de alunos que tiveram oportunidade de ir completar a sua formação em Portugal ou no Brasil, mas continuam a recorrer ao tétum para o ensino.

“Se terminam cursos em Portugal ou no Brasil, e continuam com a língua tétum, estamos a dar uma margem aos alunos para não desenvolver o seu português”, afirmou.

Já Eugénia Jesus das Neves, diretora do Departamento de Língua Portuguesa da UNTL, anota que apesar dessa dificuldade de uso das duas línguas, o facto de muita terminologia ser em português implica que o aluno “passa a conhecer a ciência e ao mesmo tempo a língua”.

“A língua portuguesa transmite conhecimento científicos”, disse.

No caso do curso de língua portuguesa em concreto, Eugénia Jesus das Neves explicou que já foram formados 186 graduados a que este ano se somam mais 49.

Marcos Amaral, pró-reitor dos assuntos académicos e coordenador-geral do projeto de Capacitação em Língua Portuguesa da UNTL, defendeu, por seu lado, que professores e alunos devem assumir maior responsabilidade no uso do português.

A constituição e as leis podem vincar o português e o tétum como línguas oficiais e de instrução, mas falta que isso seja implementado no espaço de ensino formal.

“Temos que ter coragem para aprender melhor. No português, mas também no tétum”, disse Amaral.

“Porque é que aqui, na universidade, não falamos português? Qual é o problema, não vamos esquecer o tétum e não vamos ser portugueses ou ser `malaes` [estrangeiros]. É preciso aprender e compreender bem em língua portuguesa e aproveitar a oportunidade que temos de ter aqui cooperantes portugueses e brasileiros”, disse.

O programa das jornadas integra painéis temáticos sobre Didática, Linguística e Literatura e Cultura, mas também mesas-redondas sobre o português “enquanto elemento de identidade cultural e enquanto veículo de transmissão de conhecimentos, as vantagens pessoais e profissionais de dominar a língua portuguesa e o papel das línguas maternas em Timor-Leste”, explicou.

Promovidas pelo Centro de Língua Portuguesa da Universidade Nacional Timor Lorosa`e (UNTL) as jornadas decorrem até sexta-feira no Auditório da Faculdade de Educação Artes e Humanidades daquele centro educativo.


Fonte: RTP Notícias

Sobre O IILP

Objetivos fundamentais: a promoção, a defesa, o enriquecimento e a difusão da língua portuguesa como veículo de cultura, educação, informação e acesso ao conhecimento científico, tecnológico e de utilização oficial em fóruns internacionais
Esta entrada foi publicada em Notícia. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s