Ministro dos Negócios Estrangeiros reforça importância do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP)

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, destacou ontem (26) à margem da reunião da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas,  o alargamento da cooperação a novas áreas, em especial, da energia, ambiente e oceanos, e também o reforço da importância do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP) e das questões críticas da harmonização da terminologia técnica e científica, assim como o fomento da produção de conteúdos em língua portuguesa, especialmente audiovisuais.

  “A existência da cidadania como designação transversal a todos os três pilares – concertação político-institucional, cooperação e promoção da língua portuguesa – que definem a CPLP desde a sua fundação em 1996, e a necessidade de estender ao domínio da cidadania o bom exemplo da cooperação intergovernamental”, é o primeiro de sete pontos do documento do grupo de trabalho dos nove países-membros referido pelo ministro.

O grupo lusófono quer aumentar a importância concedido dos observadores associados, outros Estados que pedem para participar na CPLP, e consultivos, normalmente organizações não-governamentais (ONG).

Atualmente são observadores associados da CPLP a Geórgia, Maurícia, Japão, Namíbia, Senegal e Turquia

O grupo de trabalho sublinhou a importância da da mobilidade interna da CPLP, e dos programas de intercâmbio académico e, no penúltimo ponto destacado por Augusto Santos Silva a valorização das comunidades lusófonas fora da CPLP, que resultam ou de movimentos de diáspora ou comunidades autoctones como a da Malásia.

O ministro destacou a realização do primeiro encontro de comunidades lusófonas na diáspora, no final de junho, na Malásia.

O sétimo e último ponto desta visão estratégica é o reforço da dimensão social da cooperação e avançar na portabilidade dos direitos sociais.

Santos Silva considerou que “não é por falta de empenho do governo português que a portabilidade dos direitos sociais não ficou expressamente referida no relatório do grupo de trabalho sobre a visão estratégica”.

Este documento foi aprovado pelo conselho de ministros, composto pelos chefes da diplomacia dos nove Estados-membros, e a declaração política deverá ser aprovada na próxima cimeira de chefes de Estado e de governo da CPLP.

Em 2017, o conselho de ministros deverá aprovar o documento de operacionalização da nova visão estratégica e o secretariado executivo vai acompanhar a sua aplicação através de avaliações periódicas. O “exame de fogo” vai ser da responsabilidade do conselho de ministros por ocasião do 25.º aniversário da CPLP, em 2021.

“Aguardamos a marcação, por parte das autoridades brasileiras, do local e da data da próxima cimeira”, sublinhou.

Santos Silva afirmou que, por ocasião do 20.º aniversário, este ano, a CPLP consolidou-se como “organização multilateral em que o antigo colonizador se encontra e coopera com os antigos colonizados” (…) para que a cooperação seja possível, tem que ser recíproca”.

Fonte: Notícias ao minuto

Advertisements

Sobre O IILP

Objetivos fundamentais: a promoção, a defesa, o enriquecimento e a difusão da língua portuguesa como veículo de cultura, educação, informação e acesso ao conhecimento científico, tecnológico e de utilização oficial em fóruns internacionais
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s