Vocabulário Ortográfico da Galiza chega à fase da sua edição em papel

academiaVocabulário Ortográfico da Galiza, apresentado publicamente em 27 de junho de 2015, dentro do programa do Seminário “Língua, sociedade civil e ação exterior” da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP), na Casa da Língua Comum, em Santiago de Compostela, chega agora à fase da sua edição definitiva em papel.

Um pouco de história recente

A elaboração de um Vocabulário Ortográfico da Galiza, como contributo ao Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, previsto no texto do Acordo Ortográfico (e ratificado em Lisboa pelos Ministros da Educação e da Cultura dos países membros da CPLP, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), foi tarefa assumida pela delegação de observadores da Galiza já nas sessões de trabalho das negociações do Acordo Ortográfico, primeiro do 1986 no Rio de Janeiro, e depois do 1990 em Lisboa, hoje vigorado nos países signatários.

O comunicado que, em nome dos Estados lusófonos, anunciava o Acordo da Ortografia Unificada de 1990, dizia assim: “As delegações de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, S. Tomé e Príncipe e Portugal com a participação de uma delegação de observadores da Galiza, reunidas em Lisboa…”; e no Diário da República Portuguesa (I Série-A, no 193, 23-8-1991, p. 4370), publica-se a Resolução da Assembleia da República no 26/91, aprovando o Acordo para ratificação, e mais uma vez mencionando: “com a adesão da delegação de observadores da Galiza“.

Anos depois, quando foi constituída a AGLP, essa tarefa passou a ser encarregada à sua Comissão de Lexicologia e Lexicografia (CLL), a qual já elaborara um primeiro Léxico Galego, que partilhara com academias e empresas culturais da Lusofonia, a título de mostra, com aproximadamente 2 000 vocábulos de léxico peculiar galego, o mais característico da variante nortenha do português europeu. Muitos desses vocábulos estão hoje recolhidos em dicionários lusófonos diversos, que se podem consultar na Rede, ou em vocabulários ortográficos em papel, como o da Porto Editora; e são reconhecidos no corretor ortográfico FLiP8 da Priberam.

Carlos Durão RodriguesCarlos Durão coordenador da CLL da AGLP

Cabe mencionar aqui que dois destes particularismos lexicais galegos foram incluídos no texto do Acordo Ortográfico do 1990, na sua Base XI, 2º, a), como exemplos de proparoxítonas com vogal tónica fechada, passando então a figurar em dicionários portugueses como «regionalismos»; trata-se de “brêtema” e “lôstrego” (>tirados por sua vez do “Prontuário ortográfico da língua galego-portuguesa das Irmandades da Fala”, especial nos 2/3 de Temas de O Ensino, Braga, 1984, p. 65).

leia mais em http://www.academiagalega.org/publicacoes/outras-publicacoes/547-2015-10-15-17-07-54.html

“biblioteca”

Sobre O IILP

Objetivos fundamentais: a promoção, a defesa, o enriquecimento e a difusão da língua portuguesa como veículo de cultura, educação, informação e acesso ao conhecimento científico, tecnológico e de utilização oficial em fóruns internacionais
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s