Moçambique e Timor já integram plataforma comum da língua portuguesa

Marisa MendonçaEm declarações à Lusa, à margem do seminário “Projeção Internacional da Língua Portuguesa: presente e futuro”, que se  realizou na  última sexta-feira na sede da CPLP, em Lisboa, a diretora executiva do IILP adiantou que o vocabulário de São Tomé e Príncipe “já está parcialmente elaborado”, mas precisa ainda da “validação das autoridades nacionais”.

Marisa Mendonça destacou “a inexistência de recursos humanos” para “o trabalho profundo de lexicografia” necessário à construção do VOC, para justificar os ritmos “diferentes” dos países lusófonos.

Trata-se de “um processo em desenvolvimento”, frisou. “Não sabemos dar informações” sobre Angola, disse, realçando, porém, que o governo de Luanda “disponibilizou fundos” para que o projeto “fosse levado avante”.

O VOC — que será “permanentemente atualizado” – é a plataforma que alberga os instrumentos que determinam legalmente a ortografia da língua portuguesa e foi oficialmente reconhecido pelos Estados-Membros da CPLP nas conclusões finais da X Conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, em julho de 2014, em Timor-Leste.

O VOC — explicou Marisa Mendonça — “mostra a singularidade dos vocabulários nacionais” e, simultaneamente, “a pluralidade da língua portuguesa”, tentando uniformizar a escrita, por exemplo acabando com a dupla grafia de palavras.

Originária de Moçambique, Marisa Mendonça recorre à palavra “capulana” como exemplo. Comum em Moçambique, pois designa os panos coloridos que as mulheres atam à cintura, a palavra “capulana” é mais rara nos restantes países lusófonos.

“Este é um empreendimento gigantesco, inovador, pioneiro, sobretudo para os países africanos lusófonos, e que significa muito trabalho”, destaca Marisa Mendonça, acrescentando que o VOC vai receber em breve também terminologias científicas.

Marisa Mendonça disse ainda que o IILP vai prosseguir com dois outros projetos: o Portal do Professor de Português Língua Estrangeira, plataforma eletrónica que oferece a professores recursos e materiais para o ensino e a aprendizagem do português; e a revista Platô, periódico semestral, em formato digital, de acesso público e gratuito.

“Esta direção continua a considerá-los como projetos bandeira do IILP, que foram muito bem pensados e bem iniciados. O nosso compromisso agora é conversar com as instituições parceiras a forma de desenvolver estes projetos”, disse.

Presente no mesmo seminário, o presidente do Conselho Científico do IILP, Raúl Calane Silva, defendeu que os Governos dos países da CPLP “devem empenhar-se cada vez mais nos projetos, mesmo a nível financeiro”.

As comissões científicas nacionais junto do IILP reuniram-se esta semana, em Lisboa, para discutir questões de ordem científica, técnica e burocrática.

“Um dos grandes propósitos agora é dinamizar as comissões nacionais do IILP em relação a estes projetos principais e também a outros para a consolidação e expansão da língua portuguesa”, realçou Calane Silva.

 Fonte colaborativa: RTP

Anúncios

Sobre O IILP

Objetivos fundamentais: a promoção, a defesa, o enriquecimento e a difusão da língua portuguesa como veículo de cultura, educação, informação e acesso ao conhecimento científico, tecnológico e de utilização oficial em fóruns internacionais
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s